Parque Tecnológico Região Serrana


O que é o Parque Tecnológico Região Serrana?

É um movimento que visa o desenvolvimento social e econômico da região serrana, através do crescimento e atração de empresas e instituições com base tecnológica.

 

…mas o que é uma empresa de base tecnológica?

Segundo a OTA, Office of Technology Assessment do congresso norte-americano, são empresas de serviço ou de setor industrial que se comprometem em desenvolver novos projetos técnico-científicos.

Essas empresas utilizam tecnologia inovadora, apresentam altos investimentos em P&D, empregam profissionais técnico-científicos e de engenharia, e fornecem aos mercados específicos.

 

Enfim, o que é Tecnópole?

“É uma unidade territorial (cidade, região, estado) com abundante capital humano e social, contendo estruturas, organizações e pessoas ativamente engajadas em gerar desenvolvimento social e econômico através da ciência, tecnologia e inovação, cuja interação proporciona a alta concentração de empresas baseadas em tecnologia e no conhecimento de empreendedores altamente qualificados”.
(Fonte: IASP – International Association of Science Parks).




Instituições de ensino e pesquisa
Órgãos de fomento à pesquisa e ao desenvolvimento regional Outros
Associações Empresariais
Governo
Centros de Expertise
Fundações
Incubadoras
Condomínios Empresariais
Parques Tecnológicos
Empresas Demonstração
Empresas Júnior
Empresas Sênior
APLs

Empresas de Base Tecnológica
São os fomentadores da inovação constante nos processos, serviços e produtos a serem trabalhados pelos arranjos produtivos locais e são fundamentais no ambiente de uma tecnópole quando conseguem criar o relacionamento com as empresas para o direcionamento de suas pesquisas às necessidades do mercado.
São formadores de mão-de-obra superqualificada e especializada para cada arranjo produtivo e empresa envolvida em uma tecnópole e precisam ser atraídos para o movimento de acordo com as necessidades das empresas. Fazem provas de conceito tecnológico além de formação das empresas parceiras.
As fundações têm o papel de aproximar as empresas e os arranjos produtivos locais das necessidades de mercado e de prestar serviços de valor comum ao grupo.
São o berço para novos projetos, sejam advindos de universidades ou mesmo de empresas já constituídas. Servem como apoio a empreendedores que precisam provar o conceito de suas idéias e de uma forma mais suportada de chegar ao mercado.
São centros de localização para empresas e instituições que queiram compartilhar serviços condominiais e criar sinergia por aproximação física entre seus parceiros e colaboradores. Existem como forma de hospedar novas empresas no ambiente da tecnópole.
Estimulam e gerenciam o fluxo de conhecimento e de tecnologias entre universidades, instituições de P&D, empresas e mercados; facilitam a criação e o crescimento de empresas baseadas na inovação através da incubação e de processos de spin-off; e fornecem outros serviços de valor agregado, bem como espaços e serviços de apoio de elevada qualidade.
Objetivo explícito é testar a viabilidade de projetos e repassá-los à iniciativa privada. Normalmente criadas em fundações, as empresas demonstração não têm pessoa jurídica e funcionam em espaços cedidos com administração por projeto piloto.
Criadas dentro das universidades, as empresas têm como mão-de-obra os universitários e prestam serviços específicos ao mercado e principalmente em parceria com os arranjos produtivos, criando assim serviços a baixo custo e de alta qualidade no ambiente da tecnópole.
São empresas criadas para prestar serviços específicos às necessidades dos arranjos produtivos locais e que têm como cooperados ou associados principalmente profissionais já aposentados do mercado formal e que pretendem com isso se envolverem em atividades de seu interesse esporadicamente. Com essa iniciativa os arranjos produtivos podem contar com serviços altamente especializados e de alta qualidade e expertise a custos mais baixos que os de mercado.
Tais órgãos, como BNDES, FINEP, FIRJAN e SEBRAE, entre outros, se relacionam no ambiente da tecnópole fornecendo apoio às empresas e arranjos produtivos, assim como financiamento para as suas atividades fins e para pesquisas e projetos de desenvolvimento inovador.
Estas representações de classe existem para potencializar o relacionamento das classes com o movimento e com a sociedade e no ambiente do movimento têm o relevante papel de catalizar esforços para a conquista de recursos e apoio.
Através de órgãos como secretarias federais, estaduais e municipais o governo apóia o movimento e se relaciona com ele por meio da disponibilização de recursos, definição de normas, incentivos e leis.
O grande objetivo do movimento é ser o articulador das relações que impulsionam a criação e o crescimento de arranjos produtivos locais de empresas de base tecnológica.
As empresas envolvidas em um arranjo não precisam estar localmente juntas, mas precisam trabalhar colaborativamente e complementarmente na prestação de um serviço ou criaçao de um produto.
Assine nossa newsletter

Parque Tecnológico Região Serrana
Todos os direitos reservados
Logo Allen Web